quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A hora da noite. A tua hora.

Anseio pela hora da noite.
Quando me apago para o mundo,
e acordo, uma vez mais, para ti.
Visito-te em sonhos.
Escritos com as tuas promessas de amor.
Palavras que agora me doem.
Quando desperto, e não estás.
Desespero pela hora da lua.
Que ainda quero fazer tua.
E te traz até mim. Sempre.
No resto do tempo, vivo. Deserto de ti.
Do teu corpo. Do teu cheiro. De nós.
A sonhar. Vejo-te em todos os rostos.
E em todos os lugares.
O teu sorriso habita-me. E faz-me viver.

Sem comentários: