segunda-feira, 15 de junho de 2009

Portugal!

Futebol à parte, poucas vezes Portugal esteve tão presente no meu dia à dia como na última semana.

Tudo começou no sábado passado, dia 06, com a inauguração da 46.ª Feira Nacional de Agricultura (FNA). Nessa tarde, as duras criticas de João Machado, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal marcaram o arranque da feira, e resumiram o momento conturbado porque passa o sector, mais concretamente a relação entre os seus profissionais e o Ministério da Agricultura.

Alvo das palavras do líder da confederação, Jaime Silva acabou também por assistir via televisão - porque não foi convidado para a FNA - ao "BASTA" que os agricultores gritaram, em concentração no CNEMA, contra as políticas para a agricultura do actual Governo PS.

Avançamos dois dias na semana. Saltamos domingo e segunda. Terça-feira à noite. Cavaco Silva, Presidente da República já está em Santarém para presidir às cerimónias oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Depois de cumprida - ao segundo - a agenda prevista, encontro-me com sua excelência/Presidente da República/Aníbal/Cavaco Silva num momento que há muito aguardava. Um concerto de Carlos do Carmo, para mim, o Rei do Fado em Portugal.

Um senhor em todos os aspectos, que insiste em melhorar e apurar as suas qualidades conforme os anos vão passando. É bom ouvir as palavras de Ary dos Santos ditas/cantadas por Carlos do Carmo, como só ele sabe cantar/dizer.

Quarta-feira, dia 10 de Junho. A capital do Ribatejo está repleta de militares. São quase quatro mil, a juntar aos muitos milhares de pessoas que saíram à rua para saúdar as Forças Armadas, o Corpo Diplomático e o Estado Maior, e festejar aquela ideia que durante o resto do ano parece um pouco esquecida: Portugal, Camões e as Comunidades Portuguesas.

Eu fiquei junto ao Capitão Salgueiro Maia. Aquele que foi decisivo no 25 Abril, e aquele a quem, um par de anos antes de morrer, o Governo do então Primeiro-ministro Cavaco Silva recusou uma pensão por serviços de relevo prestados ao país. A Portugal.

Vi na primeira fila, o agora Presidente da República homenagear o homem que, na madrugada de 24 para 25 de Abril, saiu da Escola Prática de Cavalaria, em Santarém, e foi a Lisboa ajudar a oferecer a liberdade aos portugueses. A homenagem foi às 10h00, em ponto!

Tarde de mais, diria eu.

Sexta-feira, dia 12. Os políticos e os militares já regressaram às suas bases. Em Santarém, que esteve literalmente virada do avesso, a vida começa a regressar ao normal. E a minha semana começa a terminar. São 21h30, chego ao Palácio dos Desportos, em Torres Novas.

A expectativa pelo espectáculo a que vou assistir está muito próxima de tocar o céu. Mariza, a fadista do mundo (ou de outro mundo), entra em palco e juntamente com cinco músicos fabulosos oferece-me um espectáculo que dificilmente esquecerei. Duas horas de excelência entram directamente nos melhores concertos que vi até hoje.

A nossa Mariza excedeu as minhas expectativas. :)



"Beijo de saudade" Mariza & Tito Paris. Aqui sem o Tito, que conto ver nas próximas Festas do Almonda, em Torres Novas, já no início do mês de Julho.

Sem comentários: