quarta-feira, 28 de maio de 2008

Cartas Perdidas - Parte 6

Queria dizer-te adeus. Fecho os olhos e julgo sentir com força: adeus! Ilusão...
_
No fundo, é apenas mais uma palavra. Entre nós o adeus não existe. Mesmo na escuridão, posso sentir-te respirar. Há sempre aquela luz que se acende a cada sorriso teu. É impossível apagar de mim o teu cheiro. O mesmo que me guia por um caminho de fim anunciado. Em ti.
_
Em ti, que és o meu fim eterno. Em ti, de quem não me consigo despedir. Em ti, que só me deixas sentir.
_
Queria dizer-te adeus, mas não sou capaz. Porque estás a cada esquina dos meus pensamentos. Quando me perco é contigo que me encontro... Se te falho, penso em dizer-te adeus. Mas só até ao segundo seguinte. E o entretanto é triste...
_
Talvez o adeus me saia, depois de chegar o dia em que te vou dizer olá. Enquanto esse momento se adia vais continuar assim. Dona dos meus sonhos, de quem me despeço com uma flôr... e um tímido até já.

2 comentários:

Rui Afonso disse...

Depois de uma carta como esta, o Até já! será tudo, menos tímido.

Abraço

Ingrid Guerra disse...

LINDA! Sem dúvida a carta perdida que mais gostei. Espero um dia ser capaz de despertar tais sentimentos em alguém.
Parabéns pelas belas palavras, meu caro amigo sumido! Abs procê.