quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Cartas Perdidas - Parte 2


Troco todas as letras, mudo todas as palavras. Não descubro caminho para uma frase que te faça justiça. Qual será o teu nome? Um destes dias deixo de perder tempo com tinta e papel, e escrevo coragem para te perguntar. Era tão mais simples, não era? Se bastasse escrever aquilo que não temos, e voilá. Adeus timidez, até sempre insegurança.
Enquanto esse tipo de milagres não acontece, sigo escondido entre o medo de não te voltar a ver, e o cobarde atrevimento de imaginar palpites sobre qual será o teu nome.
Terás tu nome de flôr? Como deixa transparecer o teu perfume, que nunca senti e quase consigo descrever? Ou será antes nome de Rainha, como o porte altivo e decidido do teu passo faz perceber?

Esta carta vou guardá-la para mim. Talvez um dia te conte todos estes "sentires". Fazes-me julgar a mim mesmo como um menino de cinco anos. Maravilhado e assustado. Ansioso por descobrir como és. Perdido no meio de mais um sonho.

2 comentários:

~*Ray*~ disse...

Lindo.
Puro, sensível igual a noite.

um abraço
Ray

Elsa disse...

Sem palavras para estas cartas perdidas.
Lindas!