quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Virar a página!

Há momentos nas vidas de cada um de nós, que idependentemente do tempo que duram, são tão intensos, que nos marcam para sempre. Muitas vezes esses momentos, para as pessoas que connosco os dividem, não têm o mesmo significado que assumiram para nós.

Depois de nos apercebermos dessa realidade, os momentos que se seguem são, quase sempre, de sofrimento, revolta ou desilusão. Pensamos que tudo perde o sentido. Que já nada vale a pena, e que daí em diante nunca mais vamos ser os mesmos. A esta fase costuma chamar-se "fundo do poço". Passamos dias, semanas, e por vezes meses, a sentirmo-nos inúteis, desinteressantes, pouco atraentes.

Todos nós mais cedo ou mais tarde passamos por fases deste tipo. Há quem lhe chame a "dor do crescimento". Não sei se é verdade. O que é facto é que estas marés vão, voltam, tornam a ir, e tornam a voltar. Não há nada a fazer. É um ciclo vicioso... Será o caminho da felicidade? Será a felicidade o prémio para todas estas etapas de desconsolo? Também não tenho resposta.

Para já, acho que a única coisa boa destes episódios é aquilo que com eles aprendemos, apesar de nunca ser o suficiente. Mas é com o que ganhamos nestes períodos, que nos chega a força para virar a página, por muito pesada que ela seja. É com a sabedoria adquirida com este tipo de "amadurecer" que a pena ganha a vida, e começamos a escrever a página seguinte.

Uma vez aqui chegados chegamos a uma outra conclusão, não menos dolorosa que as anteriores. No meu caso além de perceber que a minha ingenuidade não tem fim, percebi também que basta um sorriso. Basta a palavra certa. Em algumas ocasiões até, uma mão no ombro é quanto basta. E vem sempre no momento certo.

A página em branco começa então a ganhar côr. Letras, palavras, frases... O único senão é o medo do próximo "fundo do poço". Mas se há medo é porque já estamos no patamar de cima. De bem com o mundo outra vez. E o que é isso? Viver.

3 comentários:

ems disse...

Deixo-te o meu sorriso, as minhas palavras e não tendo a mão em cima do teu ombro, partilho contigo o peso do amadurecimento em que nos colocam, quase sempre, à força.
Não receitas, nem soluções, nem conselhos suficientes quando assim. Vivemos de extremos. Ou a vida é cor-de-rosa ou negra. Há que procura o equilibrio...
Como diz o outro: "Para procurar o azul eu uso os pássaros".

Boa sorte para o teu voo! :p

Beijinhos e fica bem!

Elsa disse...

Sou eu, a Elsa! :)

andreia disse...

Todos esses momentos maus são preciosos no nosso crescimento. São eles que nos fazem dar valor aos momentos bons.
E todos os momentos são especiais, desde que passados com as pessoas certas!
um beijinho do Songoku :D