sexta-feira, 30 de novembro de 2007


Perco-me a olhar as lezírias já lavradas. É o caminho que leva ao dia à dia. A terra castanha ainda fuméga. Não do Sol, que nesta altura do ano já não aquece. É o fumo do frio, que enregela os corações aos homens. Ainda assim, há um pensamento persistente. Que me vai trazendo calor...

Queria aninhar-me em teus braços.
Proteger-te com meus abraços.
Viajar contigo de olhos fechados.
Perder-me do mundo, para não sermos achados.
Dar-te um jardim de mil cores.
Um arco íris inteiro de flores..
Queria dizer-te um poema em todos os agoras.
Escrever-te amor a todas as horas.

2 comentários:

Elsa disse...

Lindo, lindo, lindo, lindo, lindo...

Oxála todos os coração dos homens se aquecessem com pensamentos persistentes. Por norma, enregelam-se com sorrisos ausentes...
Oxála o amor se pudesse inventar a cada esquina, a toda a hora...
Mas o amor não tempo, daí a sua demora...

Beijinhos...

Elsa disse...

Atão...
Estou à espera de novo post... :)